Viver o Inverno com Consciência

  • Em quais “lugares internos” o inverno nos convida a entrar?

  • Como o inverno reflete na sua vida?

  • Quais convites você percebe que estão presentes nesse inverno?

  • Ficamos mais voltados para dentro ou mais para fora?

  • Como atravessar esse inverno sem brigar ou sofrer com ele?

Reflexões para fazermos sobre o inverno...


Fizemos uma Roda de conversa onde exploramos este tema e foi lindo, dá uma olhada lá no instagram:


“O Inverno convida ao Recolhimento

É momento de aquietar
Meditar
Se inspirar…”

Como podemos viver esse inverno com consciência?


Normalmente a gente nem se observa, acha que tem que agir sempre da mesma forma o ano todo. Mas a natureza é sábia.


À medida em que ouvimos sua voz, ela nos ensina muito.


Se a gente vive o inverno como se fosse verão, ficamos nos cobrando de ser mega produtivos, de acordar "cedaço", e fazer o dia render.


Mas os dias no inverno são mais curtos e as noites mais longas.


Tem menos energia do sol chegando aqui, portanto nosso corpo não responde de forma tão intensa quanto no verão.


Quando a gente se dá conta disso, pode soltar as cobranças…


Pode se permitir render menos e dar mais espaço para outras atividades…


É um ótimo momento para escrever projetos e se abrir a novas inspirações.


Esse é um dos convites que o inverno nos traz, no Vídeo, eu vou falo sobre outros 4 convites.





5 Convites que o inverno nos traz:


A gente tem a tendência de ligar, engatar a marcha e seguir, primeira, segunda, terceira, quarta e vai acelerando… a sociedade em que vivemos pede essa produtividade constante, como se nós fossemos robôs que temos que estar sempre bem e sempre produzindo de maneira igual…


Nós mulheres já sabemos que somos cíclicas e variamos nossa produtividade ao longo do ciclo lunar.


Agora quero trazer a atenção para o ciclo do sol, onde temos as estações do ano, por exemplo no verão, tem mais sol chegando na terra, os dias são mais longos, temos mais energia pra fazer mil e uma coisas, produzimos no trabalho, fazemos atividade física, dormimos menos…


No inverno as noites são mais longas e os dias mais curtos, tem menos sol chegando na terra, e portanto temos menos energia.


Mas se a gente se cobra de ter a mesma produtividade que tínhamos no verão, ficamos sofrendo.


Ou pode ser até que consiga, mas com o passar dos anos vamos acumulando tensões.


Se a gente olha a natureza, ela se modifica ao longo das estações, uma árvore tem o momento de perder as folhas no outono, economizar energia no inverno, para trazer as flores na primavera e gerar os frutos no verão.


A mesma coisa acontece com a gente, o inverno traz alguns convites que a gente pode observar.


Bora lá, o Primeiro convite é:


1- Voltar pra casa

Voltar pra nossa casa interior, aquele lugar onde descansamos, onde não tem agitação, onde nos sentimos em paz.


Muitas vezes a gente esquece como é esse lugar e podemos ter alguma ajudinha pra voltar pra casa…


Por exemplo quando eu faço reiki ou teapia craniossacral, a pessoa abre os olhos com aquela sensação maravilhosa, e ela fala que fazia muito tempo que não sentia isso.


Eu falo que é sua própria casa.

Quando a gente relembra o caminho de casa é mais fácil voltar pra lá.


2- Meditar

Já que a gente precisa ficar quietinho num canto, tem menos sol lá fora, a energia trás um convite para a meditação.


Acalmando os pensamentos.


No verão, o convite é pra a ação, mas aqui é uma ação recolhida. No silêncio as informações chegam.


Se quiser, aproveite a playlist de meditação que tem no meu canal do youtube pra você ter seu tempo de meditação.


3- Projetar

Deixar brotar as inspirações.


Escrever projetos, colocar as ideias no papel… deixar se surpreender com as ideias novas que chegam.


Não precisa se preocupar em como vai fazer neste momento, por enquanto é só trazer para o papel.


4- Silenciar

Contemplar os movimentos da natureza, o céu mais branco ou azul, a mudança da cor do verde, o próprio corpo.


Silenciamos a mente e simplesmente observamos o que acontece no nosso corpo, na natureza…


Falar menos e observar mais.


No silêncio pode despertar a gratidão.


5- Olhar as sombras

Nesse silêncio, pode ser que venha à tona alguma dor profunda.


Aquilo que estava lá guardado no fundo do baú pode vir à tona, mas como estamos olhando para dentro, agora podemos ver.


Permite a possibilidade de curar esta dor.


As doenças trazem esse convite pra gente viver o inverno… a depressão por exemplo é um profundo momento de recolhimento.


Ou quando a pessoa está aceleradíssima no trabalho e de repente trava a coluna ou fica gripada…


As dores são momentos de parada do corpo, onde a nossa alma pede um descanso.


Mas será que precisamos deixar chegar nesse ponto?

Como podemos melhor aproveitar esse inverno para reabastecer nossas energias?


Como podemos aproveitar melhor este momento sem nos cobrar demais?


Você pode escolher um destes convites para se atentar nos próximos dias!

Experimente escrever num papel qual atitude você quer tomar e deixe em um lugar visível!


Assim toda vez que você olhar o papel pode lembrar do convite para o recolhimento.


Também pode se propor a meditar 10 minutinhos por dia ao acordar.

ou 5 minutos de contemplação depois do almoço.


Eai?? faz sentido pra você?


Me conta qual convite te tocou mais e qual você vai fazer?


Adoro quando você escreve nos comentários, sinto que a gente está conectado!


A gente segue construindo um mundo mais vivo a partir de nós.


beijo


Laís





Minha história com a Depressão...


A depressão é como passar por um grande “inverno” na vida. Eu passei algumas vezes por ela e foi bem difícil. Não queria acreditar que estava acontecendo, queria estar sempre bem vivendo o “verão”, mas cada vez que eu brigava com a realidade, me afundava ainda mais.


A depressão vem com o convite pra gente se olhar, mergulhar fundo nas emoções, entrando em contato com dores que não sabemos dar nomes, mas que doem na alma.


O choro brota sem nome ou sem razão. Eu buscava algo que justificasse, mas não encontrava.


Só queria sair daquele lugar escuro, mas ao mesmo tempo tinha outra força contrária dentro de mim que queria muito continuar ali.


Quando tudo aquilo ia acabar?


Será que vale a pena viver?


Porque é assim? Porque comigo?


Esses questionamentos me tomavam…


Mas depois me dei conta de que não adianta querer fugir, muito menos buscar justificativas.


Isso só me afastava da realidade e fazia o ciclo continuar.


O que ajuda é viver a experiência…


olhando para a dor,

atravessando os medos,

movimentando o “lodo” que estava ali parado.


Só que sem querer que acabe logo. Apenas se permitindo viver a experiência.


Claro que podemos pedir uma mão para fazer essa travessia sem se afogar.


Eu tive muitos terapeutas que me ajudaram!


Me conectei mais com a espiritualidade, me conheci, vivi o inverno.


Agora vejo a vida com outros olhos!!


E quando surgem pequenos invernos, aqueles momentos “down” ou uma doença ou a própria estação do ano, me permito mergulhar vivendo as dores e olhando as sombras de frente.


Hoje em dia tenho suporte dos movimentos essenciais, das constelações, das práticas de meditação, do reiki, e sempre que preciso faço consultas de terapia, AMO!


Me conta, você já passou por um “inverno” destes? Depressão ou momentos de dor profunda?


Adoro quando você comenta, dá a sensação de que estamos conectados!


Beijos,


Laís




Contemplar-se


Venho experimentando essa prática na minha vida e está sendo maravilhoso! Te convido a fazer também!




“Estou me permitindo desacelerar?”

A vida convida a pisar no freio, mas muitas vezes nem sabemos como. A Terapia ajuda a gente perceber o que está escondido atrás de nossa aceleração.


É preciso ter momentos de parada diante do dia a dia estressante.


Sabe a famosa “roda do rato” onde a gente fica ali girando e girando, fazendo as mesmas coisas todos os dias, nos cobrando, e sofrendo??


Bom, o inverno nos convida a sair dessa roda.


Olhar nossas sombras, medos, inseguranças, desejos mais profundos…


Como muitas vezes é difícil olhar para isso sozinhos, a ajuda terapêutica vem como lupa que amplia a realidade.


E ao fazermos isso, podemos escolher se continuamos neste caminho ou optamos por uma nova direção.


É libertador!


Se você quer experimentar novos “lugares internos” para estar na vida, entre em contato comigo pra saber mais sobre a terapia.


Seguimos construindo um mundo mais VIVO a partir de nós!


beijoo


Laís